Como uma máscara entregou a mentira de um marido infiel no Japão

Unsplash (imagens ilustrativas)

Masato Sato* é um japonês de 38 anos, funcionário de uma empresa e casado com Keiko*, de 37 anos, há cinco anos.

Ele contou ao portal Joshi SPA! que conheceu uma jovem de 25 anos em um jogo online e passou a se envolver com ela no ano passado. Desde então, tem traído a esposa em encontros secretos.

“Não é que eu e a minha esposa não nos damos bem. Na verdade, a gente quase não conversa, só sobre a nossa filha”, confessou.

Por causa do estado de emergência declarado em abril, por conta do coronavírus, Masato conta que ficou um tempo sem ver a amante, mas logo retomou os encontros.

“Costumamos ir ao cinema e cafeterias. Voltamos a nos encontrar, mas com todos os cuidados por causa do vírus.”.

Quando o verão chegou, a amante disse que gostaria de ter um ‘encontro de verão’. Ela sugeriu que eles fossem passar o dia juntos em um churrasco.

Foi aí que Masato acabou caíndo em uma de suas mentiras e a descoberta da esposa partiu de uma máscara.

CHURRASCO TENSO

Masato reservou um local de churrasco prático, que disponibilizava todos os utensílios e foi passar um dia agradável com a amante.

Para não ser descoberto, contou a esposa que teria que trabalhar naquele dia.

“Estava muito calor e o dia começou bem. Preparamos a carne, conversamos, rimos”.

Reprodução/Joshi SPA!

Então, Masato decidiu comprar cerveja no ponto de venda de bebidas. E, na fila, se deu conta da presença de um conhecido.

Era um colega da empresa, que trabalhava na recepção. “Ele não podia me ver ali de jeito nenhum”.

Para não ser visto, Masato, que estava com a máscara no queixo, subiu até a altura dos olhos. Ele saiu de fininho de perto da fila e voltou ao local onde estava a amante.

Apavorado, ele conta que cobriu a cabeça com uma toalha e passou a beber de canudo por dentro da máscara e a levantar o tecido só para comer.

“Ela estranhou, me disse para parar que eu parecia um ladrão. Mas eu não podia ser visto pelo colega e fiquei com a toalha na cabeça e a máscara até ir embora”.

O dia acabou sem que Masato fosse abordado pelo colega, mas ele ainda estava tenso quando deixou o local, pensando que poderia ter sido reconhecido.

A DESCOBERTA

Como não tinha garantias de que não tinha sido visto, o japonês continuou tenso no caminho de volta e foi direto para a casa.

“Assim que eu entrei em casa e a minha esposa me viu, ela caiu na risada e eu fiquei ainda mais assustado”.

Reprodução/Joshi SPA!

Como foi direto para a casa, Masato sequer teve tempo de se olhar no espelho. O dia que passou escondindo em uma máscara o deixou com o rosto marcado de forma cômica.

A esposa achou graça, mas um minuto depois, começou a ligar os pontos.

“Ué? Se você passou o dia na empresa, como conseguiu se queimar desse jeito? Não é estranho?

Masato diz que se enbananou. Tentou inventar qualquer desculpa para camuflar o dia que passara no churrasco com a amante.

“Eu fiquei em pânico. Disse que almocei no parque e acabei dormindo. Mas ela não é boba. Bateu o pé no chão, me observando. Disse que eu não poderia ter conseguido dormir debaixo do sol naquele calor”.

A esposa percebeu que algo estava errado e fez com que o marido entregasse a mochila. Dentro, ela encontrou a camisa e a bermuda que ele utilizou no churrasco, além das sandalhas.

“A minha mochila estava cheia de coisas. Não teve jeito, não consegui arranjar nenhuma outra desculpa”.

VINGANÇA

A esposa descobriu sobre o churrasco, mas não ficou claro sobre a traição. Talvez tenha desconfiado, mas a matéria original não conta se esse ponto entrou na discussão do casal.

Revoltada com a mentira, ela apagou a conta do marido no aplicativo de mensagens LINE (o que sugere que tenha percebido que ele estava se relacionando com alguém). Ela também não entregou a “mesada” dele.

No Japão, é comum que a esposa administre o salário do marido e deixe alguns trocados para ele usar livremente no mês. Este dinheiro foi cortado.

E não parou por aí. A esposa ainda pegou toda a preciosa coleção de uísque do marido e esvaziou garrafa por garrafa na pia. “Eu pedi para ela parar, chorando”.

Reprodução/Joshi SPA!

Masato conta que foi consolado pela filha pequena. “Minha menina foi gentil comigo como sempre. Ela sorriu para mim, desenhou uma garrafa de uísque e me entregou. Quando chorei de emoção”.

No fim das contas, ele não foi visto pelo colega de trabalho durante do o churrasco e diz ter aprendido uma lição“Não vou mais ferir a minha esposa e nem a minha filha”.

Se a traição foi descoberta, não resultou em uma atitude mais severa, como divórcio e indenização.

O mesmo portal Joshi SPA! também publicou a história de uma mulher japonesa que, por ter traído o marido, acabou condenada a pagar ¥4 milhões de indenização, além de ser punida pelos pais e ter ficado impedida de ver a filha.

Leia esta história aqui:

A Japonesa que foi condenada a pagar ¥4 milhões por trair o marido e não pode mais ver a filha

*Nome fictício

*Siga a página Japão sem Tarjas e acompanhe novas publicações

Autor: Ana Paula Ramos

Jornalista e escritora, Ana Paula tem sete anos de experiência no Japão, atuando como repórter na comunidade brasileira e como freelancer. Ela é a fundadora do Japão sem Tarjas e criadora do grupo "Por que você também não faz?", que realiza mutirões de limpeza em praias no Japão. Em outubro de 2020, publicou o seu primeiro livro, "O Oitavo Andar", um suspense que se passa na cidade de Gramado e está disponível na Amazon.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s